SEJA MUITO BEM VINDO!

Bem pessoal,

Dei início à este blog para falar especialmente de literatura. Falar, na verdade, de arte em geral. Coisas que tanto gosto e com as quais tanto me identifico. O blog não é tão movimentado, mas de vez em quando passo por aqui e deixo uma declaração, um texto, um poema... Não se acanhe. Fique à vontade e deixe um comentário. Cedo ou tarde ele será respondido.

Grande abraço a todos.

Quem sou eu

Minha foto
Pós-graduando em Letras, Português e Literatura pelo Instituto Pedagógico de Minas Gerais; MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade SENAC-MG. Licenciado em Letras com dupla habilitação em Inglês e Português pela Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte; professor de ESL (English as a Second Language) com certificado TESOL (Teacher of English for Estudents of Other Languages) pela San Diego University for Integrative Studies, Califórnia; professor de Inglês na Secretaria Municipal de Educação de Vespasiano; revisor de textos em língua inglesa e portuguesa.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Sistema de cotas. Qual a relevância desse assunto?


Uma das definições que o Dicionário Aurélio dá à palavra preconceito é: Suspeita, intolerância, ódio irracional ou aversão a outras raças, credos, religiões, etc. Diante dessa definição gostaria de introduzir minhas idéias e dúvidas a respeito do tão falado sistema de cotas para negros, índios e outros nas universidades públicas.

Com toda a sinceridade não consigo entender o motivo da criação dessas cotas. Tenho lido em alguns artigos que a maioria dos universitários é “branca” (não gosto de utilizar esses termos, mas o faço apenas para me fazer entender melhor) e que apenas uma pequena parte é “negra”. Com todo o respeito a todos os leitores do meu blog, e daí? Por favor não me entendam mal. Quando digo “e daí?” não estou com isso discriminando nenhuma etnia. Apenas acredito que, no momento da inscrição para o vestibular não há nenhum campo que exija foto colorida ou coisa parecida. Posso até estar enganado, mas até onde sei antigamente não se exigia definição de cor quando se fazia inscrição para o vestibular e se hoje o fazem é, justamente, para a opção pelo tal sistema de cotas, como se pode dizer que tem havido preconceito para com os “negros”, “índios” ou seja lá com quem for?


Acredito que, (corrijam-me, por favor, se eu estiver errado) a igualdade já seria suficiente. Mais uma vez gostaria de frisar: Sou descendente de uma mistura bem bacana. Minha bisavó, que morreu aos 101 anos, era índia e minha avó, é negra. Gosto de como eu sou, mas, minha esposa é testemunha de que gostaria muito de ter nascido negro. (Rsrsrs...) Sei lá porque, mas acho bonito. Isso é mais uma prova de que não sou racista nem preconceituoso. Gosto do que sou e gostaria também de ser um pouquinho mais “black”; qual o problema? Mas será que esse tal sistema de cotas não pode gerar um descontentamento nesse grupo que “se mata” por uma vaga numa universidade? Já que no Brasil todo mundo se ofende por qualquer coisa; é um “danos morais pra cá”, “um racismo pra lá”; será que alguém não se sentiria ofendido por não poder ingressar na universidade se fazendo valer do sistema de cotas? Quer dizer, eu poderia me intitular negro ou índio, afinal sou de descendência de ambas as etnias.

Não seria melhor, assim como é feito nas universidades particulares para concessão de bolsas, uma análise sócio-econômica de seus candidatos para concessão das vagas na universidade pública? Ou seja, qualquer um poderia ingressar, mas a prioridade seria dada àqueles que realmente não podem pagar e para aqueles que tivessem a melhor nota, sem exclusão. Aí o problema passa a ser o critério de avaliação. Mas deixa isso para outro post. Sei que o que vale é o esforço de cada um, mas existem pessoas que têm condições de se dedicar em período integral aos estudos sem ter que se preocupar com o que ele e sua família vai comer no dia seguinte, enquanto existem outros que trabalham dez, doze horas por dia, saem do trabalho direto para o cursinho (quando fazem cursinho), estudam até lá pelas onze da noite, esperam o ônibus um tempão no ponto, chegam em casa lá pela meia-noite e, muitas vezes, matam a fome com um pão e um cafezinho, dormem à uma da manhã para acordar às cinco e pegar um ônibus que mal cabe quem já está lá dentro. A universidade pública é para todos os cidadãos brasileiros, independente de etnia, credo, condição financeira e/ou social, mas, na minha opinião, esse sistema de cotas é mais uma falta do que fazer dos senhores que a instituíram. A análise no perfil de cada aluno deveria determinar a prioridade do acesso às instituições públicas.

Enfim, tudo no Brasil é muito complicado. É um tal de “bolsa sei lá o que”, “vale não sei o que lá” e agora o tal sistema de cotas. Peço aos caros amigos leitores que me ajudem a esclarecer essa dúvida sobre a relevância do sistema. Postem suas opiniões e experiências, por favor.

Nenhum comentário:

Em princípio, para começarmos a movimentar o blog, que tipo de conteúdo você mais gostaria de ver por aqui?

Arquivo do blog